• Tire suas dúvidas sobre pedidos, trocas e devoluções.
    Atendimento nos dias úteis das 9h as 18h.
  • Receba dicas de estilo, via Whatsapp, para realizar uma compra personalizada!

sua mochila está vazia

      Tag: selfridges

    • uni duni tudo

      bola

      A gente adora acompanhar os avanços do mundo da moda e tem notícia que dá até um quentinho no coração. É que a moda nada mais é do que um reflexo do comportamento humano, né? Ela consegue transmitir os valores de uma geração e até mesmo nos fazer refletir, quebrando paradigmas. E se tem um assunto do qual temos ouvido falar é da desclassificação de gêneros. Estamos abandonando o clube do bolinha e da luluzinha e, assim, criando uma moda – e uma sociedade- muito mais bonita. Vem saber o que tá rolando!

      3

      Um exemplo fresquinho e super impactante foi a escolha do ator Jaden Smith, filho do Will Smith pra estrelar a campanha da coleção feminina primavera/verão 2016 da Louis Vuitton. A gente já acompanha as peripécias do Jaden há um tempo e adoramos suas escolhas super democráticas. Menino de saia e vestido? Pode sim!

      2

      A Selfridges, loja de departamento com ideias pra frentex lá de Londres já vinha cantando essa bola há um tempo e, em 2015, se lançou no desafio de abandonar a separação dos departamentos por gênero. Assaltar o armário alheio vai ficar ainda mais divertido ;)!

      1

      E as madeixas que estão por vir também prometem, ou melhor, a falta delas! É que a cabeça raspada vem com tudo por aí. A gente ficou apaixonada pela modelo da nossa campanha FARM ♥ Adidas e não podíamos deixar de falar por aqui.

      4

      Cheia de simbolismos, a cabeça raspada não é facilmente vista. Geralmente, cortar os cabelos é visto como ato político, de purificação ou até mesmo punição. Porém, já faz um tempo que vemos algumas meninas esbanjando atitude pós-máquina! Pat Evans, Agyness Deyn e Natalie Portman são alguns rostos conhecidos que trouxeram o corte a tona. Por aqui, ficamos ambicionando essa coragem!

      5

      A gente fica com o coração cheio de orgulho e ansiedade por acompanhar um momento tão importante e impactante no mundo da moda. Cabelos curtos ou longos, saias, calças ou vestidos, menin@s ou menin@s… Vale tudo! 🙂

      08.01.16
    • além do ‘ele’ e ‘ela’

      bola_moda_genero

      (Ainda bem) estamos vivendo num tempo de maior consciência coletiva, onde, por exemplo, as bandeiras dos questionamentos de gêneros estão super hasteadas – e balançando em mais lugares a cada dia. Não é de se admirar, portanto, que a moda também reflita essa nova realidade. Como?

      1

      Esqueça aquela ideia de roupa pra menino e roupa pra menina. O consumidor está buscando, e os estilistas estão de olho: chegou a hora da moda unissex mostrar seu valor e ganhar espaço nas ruas e nos guarda-roupas do mundo afora. Uma verdadeira liberdade de ser e se expressar!

      2

      Porque há tempos a gente já adorava roubar a camisa do namorado ou ir atrás de um modelo de calça jeans ‘boyfriend‘, mas agora a gente também vai poder entrar em lojas onde não há especificação e rótulos dizendo que tal seção é feminina ou masculina. Afinal, a moda é pra quem quiser!

      3

      A questão é agradar a quem curte e se identifica com a atitude genderless, ou seja, sem gênero, que não está, necessariamente, ligada a tal ‘orientação sexual’, é só uma forma de se colocar no mundo. Cores? Todas liberadas pra ambos os sexos, e isso vai até as roupas infantis, ufa! Aliás, a gente já tem visto por aí rapazes como Kanye West usando blusa da Céline, Pharrell que não desgruda do seu colar da Chanel e Jaden Smith com modelagens que lembram saias e vestidos.

      4

      O movimento ganha força com as marcas apostando em modelagens e caimentos que cabem em corpos de homem ou de mulher. Yves Saint Laurent, Gucci e Raf Simmons são algumas das que já mostraram que estão superligadas nesse desejo. Um ótimo sinal de que os tempos mudaram é a seção Agender que, desde março, funciona na multimarca inglesa Selfridge’s com roupas e até produtos de beleza sem demarcação de gênero.

      5

      Alguns pesquisadores de moda já apontaram que as mulheres estão aderindo com mais facilidade a essa moda. Agora a gente quer saber se os rapazes vão ousar mais, quem sabe com saias e vestidos, ou peças como blusas e bermudas que ao menos lembrem as modelagens ‘femininas’?

      6

      Estamos curiosas pra ver… e provar!

      02.07.15