• Tire suas dúvidas sobre pedidos, trocas e devoluções.
    Atendimento nos dias úteis das 9h as 18h.
  • Receba dicas de estilo, via Whatsapp, para realizar uma compra personalizada!

sua mochila está vazia

      Tag: rio de janeiro

    • oi, copa! bora pra onde?

      Oba, a contagem regressiva chegou ao fim! É hora de curtir essa copa lindona com os amigos, a família, o match, a galera toda. Até o dia 15 de julho tem muuuuita festa pra celebrar! A gente mostra agora os 3 lugares favoritos dos cariocas pra se jogar na festa e as meninas do Sotaques FARM (sim ele voltou!) contam as 3 melhores dicas das cidades de Salvador, Recife e Porto Alegre.

      Tá na dúvida pra onde ir? Chama a galera e dá um bizu aqui pra escolher 🙂

      As boas do Rio

      Village

      Idealizado e produzido por cariocas que amam e que enxergam a cidade como o maior e melhor cenário de diversão do país, o evento já contou com 2 edições de muito sucesso. Quem aí lembra da Copa de 2014? Bateu saudade né? O Complexo Sheraton, no Leblon, promete ainda mais encontros, magia e alegria. Serão diversas festas, atrações, transmissão dos Jogos do Brasil e o melhor da gastronomia!

      Biergarten

      Lembra da energia suepr alto astral que rolou nas Olimpíadas? O Biergarten foi um dos maiores projetos daquela época e agora tá de volta agora com 3 pistas, sendo a principal no Biergarten em si, somada a mais 2 nas margens da Baía da Guanabara, com uma vista sensacional e um pôr do sol incrível. Além das transmissões ao vivo dos jogos, rolam várias opções de comidas e bebidas num food park especial pra todos os gostos.

      Terraço Lagoa

      Até 15 de julho o Terraço Lagoa vai oferecer uma programação pra lá de animada pro público torcer e curtir muito. Depois dos jogos, as melhores festas tomam conta do Complexo Lagoon com dj’s e atrações super bacanas. Partiu!

      Dicas do Sotaques FARM

      Gio, Recife:

      1 – Arena Cais da Alfândega: No Recife antigo, coração da cidade, a prefeitura está preparando uma espécie de arena para quem quiser acompanhar os jogos. A festa por lá vai entrar no clima do São João, com shows de artistas locais e nacionais.

      2 – Haus Bar: Localizado no bairro do Pina, o Haus é um bar super estiloso especializado em drinks exóticos e bem elaborados, além de contar com um cardápio de petiscos pra ninguém botar defeito! O bar fica na descolada Galeria Joana D’arc, conta 3 ambientes diferentes e é uma ótima opção para reunir a torcida!

      3 – Bud Basement: Aqui a farra promete! Novidade no Recife e inspirada nos porões de NY e Berlim, o Bud Basement já anunciou artistas de nome como Nação Zumbi e Baiana System para comandar os dias de festa, tudo isso regado à muita cerveja. A estrutura conta com telões para transmissão dos jogos que permitem visão 360º e ainda quatro bares, uma barbearia e um estúdio de tatuagem!

      Hury, Salvador:

      1. Largo da Cruz do Pascoal (no bairro do Santo Antônio Além do Carmo) – bairro residencial no centro histórico de Salvador, do lado do Pelourinho. Tem clima de cidade do interior, telão nos bares, cerveja e vista pro mar.

      2. Rua da Mouraria (centro de Salvador) – melhor lugar para comer frutos do mar e assistir futebol entre amigos!

      3. Trapiche Barnabé (espaço cultural no bairro do Comércio) – nos dias de jogos do Brasil vai ter o Bud Basement – Budweiser com telão para assistir aos jogos e show após, galerinha descolada da cidade só fala nisso.

      , POA:

      Brahma Street Viewing – Fan fest que será montada pela Brahma no centro de Porto Alegre, em frente ao Mercado Público, para transmitir os jogos.

      Brechó do futebol – Bar temático de futebol no centro histórico, com transmissão de jogos e venda de camisetas de times do mundo.

      Roister – Bar/restaurante com uma carta enorme de cervejas locais. Para quem quer assistir o jogo mais tranquilo. É um lugar meio bombadinho de POA.

      Eaí, bora pra onde? Prepara o look (vem ver a nossa seleção aqui!), joga pro alto a animação e bora ser pé-quente. Vai, Brasil! 

      14.06.18
    • FARM entrevista: TOZ

      Há pouco tempo, o grafiteiro TOZ, que a gente é fã, lançou a expô 'Povo Insônia', como parte das comemorações de 25 anos do projeto 'Os amigos da Gravura', influenciada pelos cantos, danças, ritos e passagens da cultura afro-brasileira. A expô fica em cartaz até janeiro de 2018 no Museu Chácara do Céu, em Santa Teresa – Rio de Janeiro – e a gente foi lá trocar uma ideia com ele. Só lindeza! 

      – Você nasceu e cresceu em Salvador e teve suas origens baianas sempre o influenciando. Conta um pouquinho da sua relação com a estética da cidade e com a cultura afro-brasileira, que sobretudo na Bahia se manifesta tão viva:
      Eu morei em Salvador até os 14 anos. Lá eu fazia capoeira e frequentava as feiras e festa populares de rua com meu pai, fui muito no Pelourinho e principalmente na feira de São Joaquim, onde tem todo tipo de produto, de animais a tecidos super coloridos. Salvador é uma cidade colorida onde existe muitas misturas. Acho que isso sempre enriqueceu minha criatividade. Gosto de misturar essas influências. 

      – E desde pequeno você já mostrava o amor pela arte. Como isso foi se desenvolvendo dentro de você?
       Sim, desde pequeno. Minha mãe estudava arte quando eu ainda era criança, então sempre teve muito material para eu fazer minha experiências… Sempre desenhei e as paredes do meu quarto sempre foram liberadas, acho q minha família entendeu rápido qual caminho eu ia seguir.

      – O que o Insônia representa pra vc?
      Um herói contemporâneo, que traz com ele dois lados sempre, não é nem só do bem nem só do mal, transita pelas florestas e pelas cidades. 

      – Quais os artistas que te influenciam na literatura, na música e nas artes visuais? 
      Li mais escritas em quadrinhos do que livros na minha vida, então posso falar que o Frank Miller. Na música, tenho muitos… Escreveria durante horas os nomes, mas Jorge bem, Gilberto Gil, Marcelo D2, Mundo livre S/A e muito reggae fazem minha cabeça há anos. Nas artes visuais, gosto de quadrinho, arte morderna e contemporânea, neo concreto. Os nomes são muitos mas Helio Oiticica, Di Cavalcanti, Cicero dias, Iberê Camargo, Adriana varejão, Carlos vergara e Ernesto Neto seria um bom time pra mim. 

      – Você é um dos principais nomes da arte de rua. Como você enxerga isso em Salvador hoje? E como tava esse lugar quando chegou no Rio?
      Em Salvador tudo é mais difícil. Lembro que quando eu andava de skate na década de oitenta, nem o asfalto era legal pra andar, comprar matérias legais era impossível quase, tudo demora mais pra chegar, mas no graffiti a cena é forte, tem vários expoentes. Curto muito Soon, Dimak, Fael, Limpo, Peace entre outros. Cada ano que passa aparecem novos e com qualidade, sempre que vou eu pinto com algum deles. Quando eu cheguei no Rio, também não tinha graffiti. No começo dos anos 90, só tinha pichação e briga de gangues nas ruas, o graffiti apareceu junto com o movimento hiphop na Lapa que eu tive a felicidade de ver frenquentando a tradicional zoeira hiphop, onde todos que tinha interessem iam pra trocar informações… não tinha internet direito, não era tão fácil. Me sinto um iniciante sempre que faço arte. 

      – Você traz personagens muito lúdicos pra rua, tem um lado afetivo pra um ambiente que é hostil. Qual é o lugar do afeto na sua vida?
      Sou carinhoso e atencioso com todos. Cresci cercado de amor e compreensão, não posso ser diferente, então desenho o que sou e sinto! 

      –  E, claro, a gente não pode deixar de perguntar, já tem algum projeto futuro em mente?
      Tenho muitos projetos pro futuro. O principal é o desenvolvimento de uma série de desenho animado com o estúdio 2D lab. Tô muito feliz de dar vida aos personagens. 

      A gente já tá na maior ansiedade pra ver os personagens ganhando vida e fica a dica: passa na expô pra conferir tudo de perto. O Toz é incrível! 

      22.09.17
    • top 5 Rio

      Criada por um grupo de jornalistas e designers cariocas apaixonados por viagens e pela cidade maravilhosa, a plataforma Top5 Rio publica roteiros inusitados na cidade, todos em formato de listinha, do jeito que a gente ama.  As praias mais iradas pra pegar jacaré, as melhores laricas da orla de Ipanema, esportes radicais pra ver a cidade das alturas, museus com jardins incríveis e lugares pra ouvir jazz em cenários de cartão-postal são alguns dos TOP 5 que já rolaram. Os temas são infinitos e passam pelas editorias de Gastronomia, Bares, Cultura, Passeios, Esportes & Bem-Estar e Hospedagens.

      “A nossa matéria-prima é ‘o do bom e do melhor’, seja no botequim, no hotel cinco estrelas ou na praça do bairro onde a gente mora. A proposta é descobrir novidades, apontar tendências e também reverenciar os clássicos, aqueles clichês cariocas indispensáveis”, explica Bruna Velon, editora de conteúdo do Top5 Rio. “Não vamos dizer quais são os cinco melhores restaurantes da cidade toda. Damos dicas com recortes poucos explorados, da forma mais criativa possível. Uma das listas mais acessadas foi a de botecos pé-sujos na Tijuca, sem nenhum daqueles bares premiados ou da moda”.
       

      A ideia do projeto – criado por Bruna Velon, Daniel Maia e Fernanda Guaraná, integrantes do Coletivo do Porto –  surgiu do boom de compartilhamento de listas – os chamados “listicles” ou artigos em forma de lista – na internet. O formato é prático pra locais e turistas que buscam programações e dicas rápidas e certeiras sobre o que fazer no Rio de Janeiro. 

      Além da equipe de jornalistas – formada também por Rafael Cavalieri, ex-crítico de bares da Veja Rio -, o site publica listas de artistas, personalidades e formadores de opinião na editoria Top5 do Convidado. O ator Fábio Porchat, o chef Thomas Troisgros, o estilista e empresário Oskar Metsavaht (Osklen), o comediante João Vicente de Castro, a promoter Carol Sampaio e o cantor Serjão Loroza são alguns dos nomes que indicaram seus roteiros preferidos no Rio de Janeiro.  
       

      Outros formatos são as listas dos leitores, nas quais usuários podem sugerir temas e criar seu próprio roteiro, e a votação, de onde os programas ou estabelecimentos mais votados entram na lista final. Animou pra dar pitaco e dar o papo do que tem de mais top no Rio? É só se cadastrar no site.
       

      21.06.17
    • natureza do Rio

      O Rio de Janeiro não é conhecido como cidade maravilhosa à toa. Cercado por morros e pelo mar, a cidade tem uma beleza exuberante e até quem é carioca, de vez em quando, fica com a câmera na mão, impressionado. Mas é de impressionar mesmo: o nascer e o pôr do sol no Rio são incríveis, e cada praia e parque oferecem um visual diferente.

      A tradicional orla Ipanema-Leblon, fechada aos domingos, é o lugar perfeito pra uma corrida com visual. Pela areia ou pelo asfalto, não importa: a vista do morro Dois Irmãos compensa e incentiva qualquer atividade física! E o melhor você já sabe, né? É que quando acaba, você pode se jogar no mar!  
       

      Outro cantinho histórico da cidade é o Jardim Botânico. Além de lindo, ele conta com muitas espécies da flora brasileira, e é uma oportunidade única de conhecer mais sobre a natureza do nosso país. No dia 13 de junho, aliás, o Jardim comemora seu aniversário com entrada gratuita e apresentação musical. Imperdível, viu? 

      Quem nunca ouviu falar da famosa Pedra da Gávea? Uma das trilhas mais difíceis da cidade é compensada por um visual incrível, que contempla boa parte da zona sul e da zona oeste da cidade. Acredite: vale a pena!

      Com um visual incrível e muito verde, o Aterro do Flamengo vive lotado nos domingos, quando uma das pistas anexas é fechada. Por lá, não é muito difícil encontrar alguém fazendo piquenique ou praticando atividades físicas, seja na praia (onde sempre rola vôlei e futevôlei!), na grama ou no asfalto. É pra família toda!  

       

      O nosso amado bairro São Cristovão não podia deixar de aparecer na lista. É que lá tá localizada a Quinta da Boa Vista, um dos maiores e mais bonitos parques da cidade. E tem de tudo: quadra de esportes, lago e até museu – o Museu Nacional! Um programinha perfeito pra tarde de domingo angel

      E aí, já escolheu seu cantinho preferido da cidade maravilhosa?

      Fotos: @__oliveiras

      11.06.17
    • yes, nós temos biquíni!

      Como boa carioca, a FARM carrega o biquíni e o pé na areia no DNA. A gente ama praia e não dispensa um bom mergulho no mar! Mas fala a verdade: quem conhece a história e a origem do biquíni? Difícil, né? A exposição "Yes, nós temos biquíni", que chega ao CCBB do Rio a partir do dia 17 de maio, quer contar justamente essa história, apresentando todos os apectos sociais, históricos e culturais dessa criação, no mínimo revolucionária. Quem mais já tá super curiosx? o/

      Da França de 1946 às modelagens atuais, o nosso amado biquíni percorreu um longo caminho. A partir de obras de artistas como Beatriz Milhazes e Leda Catunda, do trabalho dos fotógrafos German Lorca, Thomaz Farkas, Bob Wolfenson, Cassio Vasconcellos, Claudio Edinger e Jacques Dequeker, de apresentações audiovisuais e, é claro, de modelos icônicos de biquínis, a mostra pretende fazer nossa coração bater mais forte e despertar aquela velha certeza, que a gente até já sabia: a gente biquíni! 

      Ah, e tem mais! No dia 31 desse mês, rola ainda uma palestra superbacana sobre a revolução feminina na areia, com entrada franca. Nos vemos lá!

      08.05.17
    • os 5 mais… nascer e pôr do sol!

      Minduim / Bernardo Rangel / Amanda Guarany

      Hoje é o dia do sol e, pra comemorar, a gente selecionou os nossos cinco lugares favoritos do Rio pra assistir o nascer e o pôr do sol. Mas fiquem avisados: é bom preparar o coração, porque as imagens são fortes! 

      1) Parque da Cidade: porque vale a pena atravessar a ponte pra assistir um dos mais belos pores do sol do Rio! O Parque da Cidade, em Niterói, reúne uma vista incrível dos principais pontos turísticos do Rio de Janeiro e alguns de Niterói, como o Morro do Corcovado, o Pão de Açúcar, a Pedra da Gávea, o Dois Irmãos e o proprio Costão de Itacotiara, outro ponto superbadalado de Niterói pra apreciar esse espetáculo. E é superfácil chegar lá, viu? A subida é tranquila e é possível chegar lá em cima de carro! Depois, é só desfrutar e agradecer 

      2) Morro da Urca: ah, a Urca! Conhecido por abrigar o bondinho do Rio, outro cartão postal da cidade, o Morro da Urca também tem um trilha supertranquila que garante uma vista incrível da cidade e, é claro, um pôr do sol digno de aplausos! Além disso, outro lugar no bairro que também é conhecido pela vista privilegiada é a Mureta da Urca. Com vários barzinhos, na Mureta dá pra aproveitar aquele combo imperdível – e que é a cara do Rio! -, de amigos + bebidinhas + vista incrível! 

      3) Arpoador: como falar de pôr do sol no Rio e não falar do Arpoador? Conhecido por reunir centenas de pessoas no final da tarde, quando acontece uma tradicional chuva de aplausos, o Arpoador é um dos lugares mais fáceis e bonitos pra assistir (e aplaudir, é claro!) o pôr do sol. Ele fica bem ali, no finalzinho da praia de Ipanema, e é o destino certo do pós-praia de cariocas e turistas que sentam na pedra só pra admirar, por alguns minutos, esse presente da natureza

      4) Dois Irmãos: todo mundo sabe que o morro dos Dois Irmãos é um dos principais cartões postais do Rio, mas o que pouca gente sabe é que é possível, sim, subir lá em cima e curtir uma vista incrível da cidade. Lá no alto, não é difícil entender porque o seu pôr do sol é um dos mais lindos da cidade, né? E pra subir, há duas opções: fazer todo o trajeto à pé, ou então pegar carona com um dos motoboys do Vidigal até parte da trilha 

      5) Pedra Bonita: o nascer do sol na Pedra Bonita é tão, mas tão bonito, que há quem faça a trilha de madrugada (sim!) só pra garantir que não vai perder nem um segundinho desse espetáculo. Localizada no Parque Nacional da Tijuca, a Pedra tem uma vista privilegiada do Rio – dá pra observar boa parte da zona sul e da Barra da Tijuca! – e a vantagem de ter uma das trilhas mais tranquilas de acesso.  Ah! E é lá que fica também rampa de vôo livre, de onde partem os vôos de asa delta e parapente que sobrevoam São Conrado!
       

      03.05.17
    • tesouras independentes

      Até outro dia, se batesse aquela vontade de mudar ou retocar o visual, a gente já pensava logo em pedir indicação de salão pras amigas, certo? Pois é: as últimas décadas foram das grandes redes de salões de beleza e de seus proprietários celebridades, com nomes como Werner, Jean Louis David, Marcos Proença e Celso Kamura.

      Só que agora nós estamos de olho em uma outra tendencinha. Estão se multiplicando pelo Rio e por outra capitais jovens cabeleireiras e maquiadoras que atendem em casa ou em pequenos salões independentes. São minas criativas, empreendedoras e que, em muitos casos, nem pensavam em ser cabeleireiras, mas que acabaram abraçando a vocação e agora usam as redes sociais para divulgar seu trabalho.

      Fomos atrás das mais badaladas aqui do Rio pra descobrir como elas começaram e por onde você pode acompanhar o seu trabalho, pra se inspirar e mudar, quem sabe, o visual. Vem ver! 

      A Débora Saad tem 26 anos e estava fazendo faculdade de cinema quando começou a maquiar as atrizes nos sets, por pura necessidade. Quando a universidade entrou em greve, ela aproveitou as férias forçadas pra fazer um curso no Instituto L’oréal Professionnel, e aí não teve jeito: “Atualmente tenho uma sala em uma casa tombada em Copacabana, onde também trabalham outros profissionais de beleza. Minhas especialidades são corte e transformações radicais de cor. Gosto de solucionar problemas e ser criativa“, contou ela pra gente. Ah! Você pode encontrar a Débora no Facebook e no Insta 😉

       

      Já a Maria Canela  soube que seria cabeleireira aos oito anos, quando ganhou seu primeiro estojo de maquiagem, mas nunca se enquadrou muito bem nesse esquema dos grandes salões: “Logo concluí que não era pra mim: toda vez que fazia escova nas clientes, via o cabelo estalar, queimado na minha frente. Me recusei a causar dano ao fio e ouvi que sem fazer escova não ficaria no mercado“, ela confessou.

      Como desafio dado é desafio cumprido, Maria se especializou em cabelos cacheados e transição capilar, e abriu o próprio estúdio em Niterói, no quintal de casa. Ela ainda criou o MC Móvel, um ateliê itinerante, e pelo menos uma vez por mês corta pela metade do seu preço cheio na feira Carioquíssima. Segue a moça lá no insta!

      A Liza Machado tem 31 anos e desde a adolescência curtia cortar e pintar os cabelos de amigos. Quando veio morar no Rio para trabalhar com figurino de teatro e cinema, começou a cortar profissionalmente nas horas vagas. Aí, em 2014, veio a pequena Lázuli, e o salão caseiro se transformou numa maneira de conciliar o trabalho e a maternidade: “Meu trabalho envolve muito uma reflexão de como as pessoas podem se libertar dessas convenções de beleza estabelecidas na nossa sociedade, como podem descobrir seu charme natural. As pessoas que me procuram também buscam por esse espaço mais intimista. Recebo muitas pessoas com cabelos cacheados ou crespos que querem fazer um corte estiloso, ou que querem fazer cortes ousados.

      Dá pra sentir mais um gostinho da criatividade da Liza no facebook e no instagram dela, ó.

      A Carla Biriba é do time das que sempre souberam que iriam trabalhar com cabelo e maquiagem. Começou como assistente num salão em Londres, onde ficou em treinamento por dois anos, e também fez cursos no Vidal Sasson. Hoje em dia a moça atende em casa, no Jardim Botânico, e diz que prefere essa vibe mais intimista. Dona de cachos lindos e atualmente azuis, ela diz que não tem preferências na hora de cortar: “eu amo muito cortar cabelo!

      A Jana Sarmento tem 31 anos e vivia mexendo nos cabelos da mãe e do irmão. Quando veio morar no Rio, as amigas incentivaram e ela entrou no Instituto L’oréal Professionnel, que ela indica pra todas que almejam essa carreira: “Trabalhei por um tempo em salão, mas não acho que combine tanto comigo. Gosto de ter uma relação mais próxima com minhas clientes, bater um papo e assistir filmes ou séries, sem aquele corre-corre de salão. Por isso optei por começar a atender na minha casa, onde tem Netflix, comidinhas e duas gatinhas pra dar amor a quem chega”.

      Se você quiser marcar corte/coloração e maratona de séries com a Jana, é só ir lá no face da moça angel

      E aí, prontas pra mudar o look e de quebra ainda conhecer uma mina incrível? As dicas estão dadas, hein! 

      10.03.17
    • tesouras independentes

      Até outro dia, se batesse aquela vontade de mudar ou retocar o visual, a gente já pensava logo em pedir indicação de salão pras amigas, certo? Pois é: as últimas décadas foram das grandes redes de salões de beleza e de seus proprietários celebridades, com nomes como Werner, Jean Louis David, Marcos Proença e Celso Kamura.

      Só que agora nós estamos de olho em uma outra tendencinha. Estão se multiplicando pelo Rio e por outra capitais jovens cabeleireiras e maquiadoras que atendem em casa ou em pequenos salões independentes. São minas criativas, empreendedoras e que, em muitos casos, nem pensavam em ser cabeleireiras, mas que acabaram abraçando a vocação e agora usam as redes sociais para divulgar seu trabalho.

      Fomos atrás das mais badaladas aqui do Rio pra descobrir como elas começaram e por onde você pode acompanhar o seu trabalho, pra se inspirar e mudar, quem sabe, o visual. Vem ver! 

      A Débora Saad tem 26 anos e estava fazendo faculdade de cinema quando começou a maquiar as atrizes nos sets, por pura necessidade. Quando a universidade entrou em greve, ela aproveitou as férias forçadas pra fazer um curso no Instituto L'oréal Professionnel, e aí não teve jeito: “Atualmente tenho uma sala em uma casa tombada em Copacabana, onde também trabalham outros profissionais de beleza. Minhas especialidades são corte e transformações radicais de cor. Gosto de solucionar problemas e ser criativa", contou ela pra gente. Ah! Você pode encontrar a Débora no Facebook e no Insta 😉

       

      Já a Maria Canela  soube que seria cabeleireira aos oito anos, quando ganhou seu primeiro estojo de maquiagem, mas nunca se enquadrou muito bem nesse esquema dos grandes salões: “Logo concluí que não era pra mim: toda vez que fazia escova nas clientes, via o cabelo estalar, queimado na minha frente. Me recusei a causar dano ao fio e ouvi que sem fazer escova não ficaria no mercado", ela confessou.

      Como desafio dado é desafio cumprido, Maria se especializou em cabelos cacheados e transição capilar, e abriu o próprio estúdio em Niterói, no quintal de casa. Ela ainda criou o MC Móvel, um ateliê itinerante, e pelo menos uma vez por mês corta pela metade do seu preço cheio na feira Carioquíssima. Segue a moça lá no insta!

      A Liza Machado tem 31 anos e desde a adolescência curtia cortar e pintar os cabelos de amigos. Quando veio morar no Rio para trabalhar com figurino de teatro e cinema, começou a cortar profissionalmente nas horas vagas. Aí, em 2014, veio a pequena Lázuli, e o salão caseiro se transformou numa maneira de conciliar o trabalho e a maternidade: “Meu trabalho envolve muito uma reflexão de como as pessoas podem se libertar dessas convenções de beleza estabelecidas na nossa sociedade, como podem descobrir seu charme natural. As pessoas que me procuram também buscam por esse espaço mais intimista. Recebo muitas pessoas com cabelos cacheados ou crespos que querem fazer um corte estiloso, ou que querem fazer cortes ousados.

      Dá pra sentir mais um gostinho da criatividade da Liza no facebook e no instagram dela, ó.

      A Carla Biriba é do time das que sempre souberam que iriam trabalhar com cabelo e maquiagem. Começou como assistente num salão em Londres, onde ficou em treinamento por dois anos, e também fez cursos no Vidal Sasson. Hoje em dia a moça atende em casa, no Jardim Botânico, e diz que prefere essa vibe mais intimista. Dona de cachos lindos e atualmente azuis, ela diz que não tem preferências na hora de cortar: “eu amo muito cortar cabelo!

      A Jana Sarmento tem 31 anos e vivia mexendo nos cabelos da mãe e do irmão. Quando veio morar no Rio, as amigas incentivaram e ela entrou no Instituto L'oréal Professionnel, que ela indica pra todas que almejam essa carreira: “Trabalhei por um tempo em salão, mas não acho que combine tanto comigo. Gosto de ter uma relação mais próxima com minhas clientes, bater um papo e assistir filmes ou séries, sem aquele corre-corre de salão. Por isso optei por começar a atender na minha casa, onde tem Netflix, comidinhas e duas gatinhas pra dar amor a quem chega”.

      Se você quiser marcar corte/coloração e maratona de séries com a Jana, é só ir lá no face da moça angel

      E aí, prontas pra mudar o look e de quebra ainda conhecer uma mina incrível? As dicas estão dadas, hein! 

      10.03.17
    • foi um carnaval que passou…

      Pode confessar que tá sendo até esquisito sair sem fantasia, né não? O corpo já sente falta das perucas, do brilho, das plumas, dos quilos de glitter e da batucada em ritmo de marchinha. O que fica mesmo são as lembranças de mais uma semana de folia anual que promete ficar pra história.

      Pra que essas lembranças não se apaguem com o tempo, todos os anos uma grande ala de foliões trabalham noite e dia (literalmente) usando câmeras como adereço de destaque. Dividindo e somando trabalho com o amor ao Carnaval, dezenas de fotógrafos registram a maratona momesca em seus mais maravilhosos e mínimos detalhes 
      Há 7 anos os Fotógrafos Foliões encabeçam essa lista como o primeiro coletivo de fotógrafos que registra o Carnaval de rua do Rio. Formado pelos amigos de profissão Angelo Nery, Camila Camacho, Dandarah Jordão, Lauro Alonso, Marcelle Manacés e Michelle Castilho, o grupo já soma mais de 10.000 flagras carnavalescos feitos em blocos como Céu na Terra, Minha Luz é de Led, Gigantes da Lira, Vamo ET, Pérola da Guanabara, Orquestra Voadora, Agytoê, Boi Tolo e Cordão do Boitatá. Você pode conferir tudo isso e mais um tanto de outros blocos publicados na página do coletivo no Facebook.
      Esse ano a galera quer ir além do virtual e levar todas as emoções registradas nessa ofegante epidemia, que se chama Carnaval, pra estampar também as páginas de um livro. Como muita gente estrela esses registros, nada mais justo do que a realização e concretização da ideia seja feita de forma coletiva, não é mesmo? Então se você tiver afinzaçx de contribuir com a publicação, é só dar uma sacada na campanha deles no Benfeitoria. Tem um monte de recompensa bacana que vai de adesivo até ensaio fotógráfico 0800! Ó a campanha deles no youtube! 
      Mas se você quer continuar matando as saudades da folia e até tentar se achar pulando por aí, a gente separou aqui outros fotógrafos foliões que não deixam por menos: o também coletivo Folia de Imagens; as manas Ana Carvalho, Pamela Perez e Paula Dutra e os manos Rapha Silva, Micael Hocherman, Pedro Esteban (Lambe Lambe), Olhos de Cigano, Humans of Carnaval, PH de Noronha e Lucas Bori.

      E aí – deu pra matar um tico da saudade? 

      06.03.17
    • um último suspiro

      Cê tá achando que o carnaval acabou? Que nada! Ainda tem muito agito bom até domingo e o Dudu Lacerda, que tá ajudando a gente desde o pré-carnaval, separou só as boas dessa pós-folia pra quem ainda tem glitter no bolso e samba no pé. Mas ó, aproveita: boatos de que o próximo carnaval é só no ano que vem, viu?

      Sexta, dia 03/03

      Minha Fanfarra te ama: e a ressaca de carnaval já começa hoje, com Ataque Brasil e Bésame Mucho na Praça Marechal Âncora, no centro do Rio. É as 20h, tá? Já leva a fantasia pro trabalho e bora! 

      Desce mas não sobe: já o bloco Desce mas não sobe vai festejar sua resseca na floresta! Isso mesmo: a partir das 23h, no Casarão Floresta, Cosme Velho. Vem garantir seu ingresso aqui! 

      Sábado, dia 04/03

      Tambores de Olokun: já quem prefere um carnaval com muito axé vai poder curtir de novo o som do Tambores de Olokun nesse sábado, às 15h, no Aterro do Flamengo. Não se atrasa, viu? O baque começa às 16h! 

      Caetano Virado: o bloquinho, que nasceu do coletivo homônimo, vai rolar nesse sábado, às 17h, próximo ao estacionamento da Marina da Glória. Mas essas informações não são oficiais, ok? É bom apurar com os migxs! 
       
      Ressucita no Sábado: tudo o que a gente sabe é que vai rolar no sábado, provavelmente em Santa Teresa, mas horário e local exatos ainda vão ser confirmados. Então é aquela mesma história: checa com os amigos antes, belê? angel

      Bloco do Afrojazz + Turbilhão Carioca: a Lapa vai tremer com o Turbilhão Carioca e o Afrojazz nesse sábado pós carnaval! O repertório promete ser muito eclético e dançante, pra ninguém ficar parado mesmo! Começa às 21h, ok?  

      – Baile Transante do Agytoê convida Bailijexá do Maracutaia: e tem muita dança no Circo também! O Agytoê (a gente ama!) convida o gingado e as saias rodadas do "Bailijexá do Maracutaia" pra uma noite inesquecível! Ah! Levando um kg de alimento não-perecível, paga meia-entrada, ok? 

      Domingo, dia 05/03

      – Arrastão de ressaca do Rio Maracatu com Mestre Maurício Soares: e pra acabar com toda a purpurina que sobrou do carnaval, o pessoal do Rio Maracatu convida todos os grupos de Maracatu do Rio pra um encontro regado à música, dança e, é claro, muito Maracatu do Baque Virado. É pra dançar até o próximo carnaval, viu? 

      E aí, quem ainda tem fôlego pra curtir esse carnaval – que não acabou? Nos vemos na folia! 

      03.03.17
    • começou a festa!

      Pode preparar a purpurina, montar a fantasiar e ensaiar o samba no pé: o carnaval chegou!  É tempo de dançar muito, cantar e se divertir ao lado de quem a gente gosta, com um sorriso largo no rosto e as marchinhas na ponta da língua. Pra ajudar a gente nessa difícil tarefa de escolher qual bloquinho pular, o Dudu Lacerdafolião de primeira que já ajudou a gente no pré-carnaval – selecionou algumas boas pelo Rio durante o feriadão. Vem ver! 

      Quinta, 23 de fevereiro
      – Pra já ir entrando no clima da folia, hoje tem Minha luz é de Led no centro da cidade, bloco conhecido por varar a madrugada com suas luzes supercoloridas. Ah! Mas se liga: o  local só vai ser divulgado hoje às 22h, tá? 

      E tem baile no Circo! Escolhe sua melhor fantasia e vem dançar ao som da Orquestra Imperial Com a doação de 1kg de alimento, o ingresso sai por R$40! 

      Sexta, 24 de fevereiro
      – Na sexta, a boa é curtir o bloco Bagunço, formado pela banda de mesmo nome e que se entitula "banda de rua". O bagunço traz um carnaval animado, com improvisações, participação do público e farra boa. Ah! Mas o local e o horário só são divulgados à noite, ok?

      Sábado, 25 de fevereiro
      – Tradicionalíssimo no Rio, o Céu na Terra desfila em Santa Teresa no sábado, às 7h da manhã. A gente garante: vale a pena acordar mais cedo! 

      – Sábado também é dia do Terreirada Cearense desfilar na Quinta da Boa Vista, em São Cristovão, com o seu carnaval multi-cultural, colorido e alegre. Começa meio-dia! Quem vamos? o/

      – Às 16h, é a vez do Afoxé Filhos de Gandhi sair pelas ruas da Saúde, prestando uma homenagem carnavalesca ao líder indiano. A concentração é no Largo de São Francisco da Prainha, ok? 

      – Já à noite, rola carnaval no Circo Voador, com o Desce mas não sobe, Technobrass e Minha Luz é de Led – tudo juntinho! – e a entrada é 1kg de alimento não perecível. Bora? angel

      Domingo, 26 de fevereiro
      – Há 21 anos animando o carnaval carioca, o Cordão do Boitatá comemora sua maioridade com um superbaile na Praça XV, às 9h, com homenagens à Tom Jobim, Moacir Santos e Ismael Silva – só fera! Nos vemos lá! 

      – E tem Cortejo do Boi Tolo também no domingo! O horário e o local ainda serão confirmados, mas a gente adianta que é pelo Centro. Vem! 

      Segunda, 27 de fevereiro
      – Na orla da praia do Leme e com uma das vistas mais incríveis da cidade, o Bloco Virtual desfila na segunda às 8h! Além da orquestra poderosa, o bloco promete dançarinos e pernas de paus pra animar todo mundo 

      – E tem encontro feliz no Largo de São Francisco: os blocos Dinossauros Nacionais e Estratégia se unem pra um carnaval único, com as duas baterias animadas festejando ao mesmo tempo! Pra curtir em dobro, hein? 

      – Segunda também é dia de saída oficial do bloco Maracutaia, famoso por seu maracatu de baque virado. Vai ser no centro, mas o local exato ainda vai ser confirmado na página do grupo. Fica de olho, hein? 

      – A noite do Leme vai ser animada pelo carnaval multi-cultural do Noites do Norte na segunda de carnaval. O bloco é parado, bem ali na pedra do Leme, e a concentração começa às 19h. Bora? 

      Terça, 28 de fevereiro
      – Terça de carnaval tem saída oficial do Vamo E.T., na Praça do Russel, Glória, às 9h. Quem quer tirar uma selfie com o E.T., mascote oficial do bloco? o/

      – E é dia também também de saída da Orquestra Voadora, um dos maiores blocos do Rio, às 15h, no Parque do Flamengo. Pra curtir muito as clássicas do carnaval! 

      – Pra animar a praia de Ipanema, o Rio Maracatu desfila, a partir do posto 8, o seu maracatu de baque virado. Vamos?  

      – E tem Agytoê na terça de carnaval! A concentração é às 22h, mas o local ainda vai ser confirmado. A gente ama! 

      Que esse carnaval não acabe nunca! Vamos foliar! 

      23.02.17
    • chegou a hora!

      Vamos falar do que interessa? É carnaval! Desde sábado passado, desde qualquer dia de janeiro, desde que chegamos a fevereiro… dizem as boas línguas que ele já começou, ou pelo menos nunca quis acabar. Mas oficialmente o carnaval tá só chegando agora, então bora preparar o desbunde, o look colorido, a listinha de blocos e a purpurina, é claro. É tempo de ser feliz! 

      Condenada por ambientalistas, a purpurina anda na berlinda, mas nem por isso o carnaval precisa ter menos glitter ou cor. A boa é se jogar nos pozinhos brilhosos usados por confeiteiros, ou até mesmo em outras versões caseiras, artesanais e comestíveis, como essa aqui. Mas tem que brilhar, ok? 

      O Carnaval17 também promete ser palco de uma ousadia deliciosa com perfume feminista: é a onda dos nipple pasties ou nipple tassels, diretamente das rainhas de bateria pro carnaval de rua. A Osada, por exemplo, é uma marca carioca que tem feito muito sucesso nos eventos pré-carnavais da cidade – e que promete fazer ainda mais barulho! 

      E pra combinar com os tassels, vale apostar nas franjas e no tule, tendências que vão invadir as ruas em peças que escondem e revelam ao mesmo tempo. Vale ficar de olho nas peças politizadas da Negoçada, nos bodies da parceria entre a Sum15 e Lab Collection e nas delicadezas da Aroeira Abe!
       

      Outro romance gostoso da temporada promete ser o flerte prático, estiloso e fresquinho entre o collant e as pochetes da nossa querida Poch (lembra que a gente falou delas aqui?), que supercombinam também com meia arrastão. Sim, acreditem: essa meia voltou com tu-do!

      Fica de olho também nos eventos de venda de looks que andam pipocando pela cidade, como o Saturnália, a Casa Soma ou o La Ursa, que reúnem uma galera incrível produzindo alegorias poderosas e exclusivas, sem data de validade pra quando o carná passar. É pra vida toda!

      Aliás, se só no carnaval a gente pode sair por aí equilibrando um belíssimo adereço de cabeça, que seja então uma lindeza como as preciosidades da nossa parceria com a CanCan, as criações da Gabi Monteiro ou os maiôs musos da Thaissa qua gente tá vendendo aqui. Uma lindeza só! 

      E vale aproveitar a folia pra se tatuar também – e de quebra, lutar contra o assédio: essa é a ideia por trás das tatuagens temporárias "não é não", criadas pra reforçar o respeito não só nos bloquinhos, mas na vida! Foi essa vontade que motivou a Marina Faissal e sua amiga Aisha Jacob a reúnirem um grupo de mulheres pelo whatsapp – hoje, são mais de 40!  – pra produzir e distribuir tattos no carnaval, com o objetivo de demonstrar o poder dessa união na proteção das mulheres e, além disso, tornar essa festa – tão nossa, tão feliz! – um espaço ainda mais receptivo pra todas 

      A gente endossa o coro e aproveita pra falar também das tatoos do le petit pirate (tem 'não é não' também!) e da música nova da Lila, com o mesmo nome. Ela é musa! 

      Pra fechar a produção da cabeça aos pés, não se esqueça do conforto e da hidratação, sempre: pra manter a energia montada, colorida, brilhosa, suada e alegre, sobretudo! Pra se esbaldar! 

      17.02.17