• Tire suas dúvidas sobre pedidos, trocas e devoluções.
    Atendimento nos dias úteis das 9h as 18h.
  • Receba dicas de estilo, via Whatsapp, para realizar uma compra personalizada!

sua mochila está vazia

      Tag: circuito penedo de cinema

    • tomo um banho de… cinema!

      A Taynara Pretto, nossa colaboradora lá de Maceió, é quem nos conta sobre o Circuito Penedo de Cinema e o que viu de melhor por lá!

      "Eu sempre soube que a arte, nas suas mais variadas expressões, tem o poder de unir as pessoas e, na última semana, durante o Circuito Penedo de Cinema, vi o quanto isso é verdade. Embarquei rumo a cidade histórica de Alagoas, uma das mais antigas e charmosas do estado onde, pela primeira vez, o documentário que foi resultado do meu trabalho de conclusão de curso em jornalismo da faculdade seria exibido e estaria concorrendo em um festival".

      Minha Palavra é a Cidade conta sobre quatro cantores de rap e a relação de cada um deles com Maceió. A Tai, que já estava mega feliz – e nervosa – por mostrá-lo pra além da universidade, mal sabia que essa experiência seria ainda mais do que participar de um festival de cinema. 

      Neste ano, o Circuito Penedo de Cinema abrigou vários eventos: o IX Festival do Cinema Brasileiro, que retornou a Penedo depois de 34 anos; VI Festival de Cinema Universitário de Alagoas; III Mostra Velho Chico de Cinema Ambiental e o VI Encontro do Cinema de Alagoas; e levou pessoas importantes da cena audiovisual do país, como os diretores Beto Brant e Lírio Ferreira e as atrizes Alice Braga e Bianca Comparato.

      Durante cada dia de evento eram exibidos mais de 12 filmes, entre universitários ou não. Então, todos os dias, universos dos mais variados temas eram apresentados e todo mundo era tocado de diferentes formas. Ingrid, do diretor MaickHannder, de Minas Gerais, é um documentário experimental e supersensível, em preto e branco, que trata da relação de uma trans com seu corpo. Já Obra Autorizada, do baiano Iago Cordeiro Ribeiro, outro que entrou na lista de preferidos da gente, fala sobre uma construção tombada e esquecida e a relação das pessoas que passam por ela (algo que a Tai identifcou muito, já que Maceió é cheia de obras desse tipo).

      "Acho que é impossível não se encantar por Penedo. Ela é uma típica cidade histórica tomada por museus e igrejas dos séculos XVII e XVIII, mas tem um detalhe que faz toda a diferença: fica na beira do Rio São Francisco!".

      A participação da população foi incrível e, praticamente todas as noites, as cadeiras que faziam parte da tenda montada na praça principal estavam preenchidas por moradores da cidade. Depois de dias assim, conhecendo histórias e personagens reais ou criados, convivendo com pessoas do Brasil inteiro, compartilhando experiências, sotaques, banhos e passeios de barco no Velho Chico  fica até difícil voltar pra realidade. O gostinho de quero mais tá bem presente por aqui!
       

      07.12.16