• Tire suas dúvidas sobre pedidos, trocas e devoluções.
    Atendimento nos dias úteis das 9h as 18h.
  • Receba dicas de estilo, via Whatsapp, para realizar uma compra personalizada!

sua mochila está vazia

      Tag: artesanato

    • Artesanato Coletivo

      catarse-fia-1

      Tem tanta coisa boa que aparece por conta do poder da internet, que a gente fica até boba. Através do site de financiamento coletivo Catarse, a Fia Oficina de Artesãs nasceu da vontade de mudar a relação entre artesãos, o mercado, e os consumidores.

      catarse-fia-2

      Essa campanha linda de viver é fruto da junção do trabalho de artesãs de Sobral, no Ceará, do Grupo Gente Solidária e da designer Celina Hissa, que juntas desenvolveram peças de artesanato com um toque de design pra lá de especiais.

      catarse-fia-3

      Na campanha de financiamento coletivo, todo o orçamento necessário pra atingir o objetivo de R$25.000 é detalhadamente expresso no site, assim, você consumidora também poderá saber o que a Fia pretende fazer com o dinheiro arrecadado.

      catarse-fia-4

      A ideia do projeto é poder repensar sobre as formas de comercialização que existem hoje, diminuir os custos em toda a cadeia de artesanato, assim devolvendo o valor necessário para o próprio artesão.

      catarse-fia-6

      Como você entra nessa história? Pelos mais de 20 kits oferecidos, o valor do apoio é como uma pré-venda que possibilitará a remuneração das artesãs e a compra da matéria-prima pra produção. É só escolher o que tem mais a sua cara, ou se for pra presente, a cara da pessoa querida que irá receber o mimo! 🙂

      catarse-fia-5

      Se o valor for arrecadado até o fim da campanha, os kits serão entregues em dezembro. Faltam menos de duas semanas pro período de arrecadação terminar. Corre lá no site da Catarse pra fazer parte desse projeto do bem, clicando aqui.

      03.11.15
    • parceria feita à mão

      bola_feitoamao

      A gente ama trabalho artesanal. Quem também tá nessa é um grupo de designers e artesãos de São Paulo, que criou uma rede de encontros pra repensarem a nova estética dos trabalhos, com ares de modernidade e sem fugir da tradição do que é manualmente feito com cuidado e afeto. É a ‘Rede Feita à Mão’. Vem conhecer!

      feito_a_mao4

      Nos encontros, eles conversam sobre potencial criativo, mercado de artesanato urbano atual e formam uma grande rede de informação e pessoas. A ideia é que a rede sirva pra aprender, compartilhar conhecimento e servir de ponto de partida pra uma experiência colaborativa entre alunos e professores. O artesanato brasileiro é um dos mais diversificados do mundo! ♥

      feito_a_mao1

      O mais legal é abrir a cabeça. Pra sair da mesmice, os encontros propõem usar técnicas já existentes com novas expectativas e critérios de consumo. A boa é desconstruir e inovar na hora de criar, sem regra. Tem cerâmica, desenhos bordados no tecido, crochês feitos com tiras de tecido e tricot com lã e barbante e mais um infinito de bonitezas.

      feito_a_mao2

      Quer ficar por dentro dessa rede linda que tem juntado uma galera das boas pra repensar o futuro do artesanato no nosso país? Então corre pra cá.

      fushiko-001

      Mais um coletivo fazendo a gente suspirar por aí! 🙂

      07.01.15
    • pra mudar o mundo

      bolaA gente adora o movimento “Compro de Quem Faz”, em prol dos artesãos brazucas na maior vibe sustentável. Foi a partir dele que nasceu a idéia do projeto “Episódios pra mudar o mundo”, uma série com depoimentos de quem vive do que ama fazer. Mais ou menos assim, ó:

      2

      O projeto está no Catarse, plataforma de financiamento coletivo, e é uma parceria do “Compro de Quem faz” com a produtora Antonieta Filmes. A idéia é apoiar artistas e artesãos nacionais e valorizar a cultura da compra diretamente das mãos do produtor. Ah! Vale dizer que as gravações não têm uma finalidade comercial, o objetivo é somente fortalecer a comunidade de criativos e artistas independentes! 😉

      O vídeo aqui de cima conta um pouquinho mais sobre o projeto (dá play pra conhecer!). A ideia é que mais cinco vídeos entrem no ar e pra isso acontecer toda ajuda é bem-vinda. Pra apoiar ou ficar ainda mais por dentro da iniciativa, corre pra página deles no Catarse ou no Facebook.

      Dedos cruzados pra rolar logo! 🙂

      01.10.14
    • de olho na raiz do brasil

      bola_indio

      A mini-coleção FARM na Aldeia trouxe uma experiência incrível. Além do co-branding com o Instituto Menire,  a gente descobriu que a Fê Pacheco, stylist da loja do Fashion Mall, acabou de se formar em Desenho Industrial e escolheu a cultura dos índios como tema do seu projeto final. É claro que a gente morreu de amores e quis saber mais. Vem ver!

      indio1

      “Escolhi os índios pela importância que representam na nossa cultura, dos costumes ao trabalho artesanal. Hoje, esse trabalho conquistou uma posição de destaque tanto na moda brasileira como no mercado de decoração. Eles são a raiz do nosso país e quis despertar isso através de aspectos gráficos”, conta a Fê.

      indio2

      O objetivo do projeto final da Fê foi elaborar uma linha de estampas, traduzindo a riqueza da cultura indígena através de traços marcantes. “Hoje, como designer, vejo que esse projeto foi muito importante pra mostrar o valor do trabalho manual e como os índios retiram da natureza os recursos pra criação de suas pinturas e artesanatos”

      indio4

      “Para me aproximar da estética indígena,  fiz os desenhos à mão e com tinta nanquim, assim conseguia sentir os traços livres. As linhas riscadas com pincel trouxeram diferentes espessuras e também algumas falhas, características que atribuí à identidade das estampas”, explica a Fê.

      indio3

      A gente achou o projeto final uma forma bonita de registrar a originalidade brasileira. Pra Fê, FARM na Aldeia caminha pro mesmo lado e valoriza a estética indígena através de pintura e padronagens étnicas.

      indio5

      Foi muito bom trocar ideia com ela e descobrir um pouquinho mais da sua visão sobre essa estética que a gente ama tanto! Nem precisa dizer que a gente ficou super orgulhosa com o resultado do projeto final, né? 😉

      24.08.14
    • mochilão: bali (parte 2)

      bola_bali

      Outro dia a gente mostrou por aqui um pouco da Bukit, península no extremo sul de Bali, recheada de praias paradisíacas (suspiro). Hoje, a gente coloca a mochila nas costas e vai dar um rolé pelo centro da ilha, um lugar para comprar artes, comer, rezar e – porque não – amar. Vem!

      bali_1

      Saindo da Bukit, fomos rumo a Denpasar, capital da ilha (e porta de entrada), onde começamos a nossa jornada pelo ‘caminho das artes’ até Ubud. São 26 km de artes e artesanatos de todos os tipos – ourives, entalhadores, pintores, pedreiros, dançarinos – onde artesãos e artistas nos convidam a entrar em suas oficinas (algumas ficam a céu aberto mesmo).

      bali_2

      De cair o queixo os quadros de madeira entalhada que demoram quase 80 anos (!!) pra serem feitos. Aliás, quem tiver um tempinho e quiser desenvolver habilidades manuais, pode até fazer um curso em uma das oficinas. É bem legal e de quebra você sai com um artesanatinho todo seu.

      bali_3

      Subindo mais um pouco, nós desviamos o caminho em busca de conhecer um sonho antigo, a Green School. Uma escola com projeto sustentável, que ensina crianças e adolescentes além da boa e velha matemática e física de cada dia, a terem consciência ecológica.

      bali_4

      Alunos e professores vem de todo canto do mundo só pra passar um tempo por lá. Pra visitar, basta agendar espaço em um dos tours diários. Atenção: ao ‘prédio’ principal com estrutura feita de 7 km de bambu. Sen-sa!

      bali_6

      Nossa próxima parada foi Ubud, no centro de Bali, terra que também inspirou o livro “comer, rezar e amar”. Tem-de-ir: vale a pena passar alguns dias só para conhecer o Pura Besakih (ou templo-mãe), um dos maiores e mais antigos templos de lá (rolam cerimônias hindus o dia todo, é muito legal);

      bali_5

      subir o Monte Batur com seu vulcão ativo só pra ver o nascer do sol; alugar uma bike e pedalar pelos terraços de arroz de Jatiluwih; e, por último, fazer umas aulinhas de yoga (além dos tratamentos holísticos ma-ra) no The Yoga Barn.Ufa!

      bali_7

      Cereja do bolo: pra fugir um pouco da badalação e ficar com a alma lavada de verdade, a gente recomenda passar uns dias no Bali Silent Retreat, em Tabanan (pertinho de Ubud). O retiro de silêncio fica isolado no meio dos campos de arroz e tem aula de meditação e yoga várias vezes ao dia.

      bali_8

      A cozinha vegetariana é tão incrível que merecia um post à parte. Aliás, reza a lenda que o lugar foi construído em cima de um Ashram antigo que pertencia à familia real de lá. Top!

      Dessas viagens pra se carregar no coração a vida toda. Terimakasih (obrigada), Bali! ♥

       

      04.11.13