• Tire suas dúvidas sobre pedidos, trocas e devoluções.
    Atendimento nos dias úteis das 9h as 18h.
  • Receba dicas de estilo, via Whatsapp, para realizar uma compra personalizada!

sua mochila está vazia

    • casal da FARM

      Hoje é um dia especial pra gente falar, ouvir, ler e viver 24h de amor e amores. Pra inspirar a data, a gente compartilha com você uma das histórias de amor que colocam ainda mais cor nos nossos dias. É sobre a Rapha, vendedora da FARM Rio Sul e a Carol, ex FARM Ipanema <3

      Como uma dessas coisas boas que acontecem na vida sem hora e data marcados, as duas se conheceram, curtiram muita a última copa juntas e, além de dividir um amor todo lindo uma pela outra, também dividem o amor pela FARM. E claro, a gente é só felicidade por saber que fazemos parte dessa história, né?

      A gente bateu um papo com a Rafa sobre esse tantão de carinho, ó.

      – Rafa, conta pra gente como começou essa história linda?
      A gente namora há quase 4 anos. Nos conhecemos num trabalho antigo, mas o que nos uniu mesmo foi a Copa passada porque a gente assistiu a todos os jogos juntas e a Carol ama futebol, até jogava quando era mais nova.

      – Tão bom quando a gente descobre essas coisas em comum! A FARM foi um desses sentimentos bons que conectou ainda mais vocês, né?
      A marca entrou na minha vida e no meu coração igual a ela, bem Caetano Veloso, como uma brincadeira e foi crescendo, me absorvendo rs. Quando eu a vi infeliz no trabalho dela e com uma vaga rolando, foi a chance de trazê-la pra um lugar que vinha me fazendo tão feliz e poder dividir isso com ela. Imagina a primeira convenção que fomos juntas? Eu tava na festa mais divertida, da empresa mais legal que eu já tinha trabalhado, com a pessoa que eu mais amava!

      O Brasil é um dos países com maior índice de crime por homofobia. Isso assusta… 
      Quando recebi esse convite meu primeiro motivo de felicidade foi a força da representatividade. A gente vive um momento da nossa cidade e do nosso país onde é primordial que as minorias estejam presentes, pra que a sociedade – e inclusive nós mesmos – possamos entender que é normal e, mais que isso, é lindo. Porque amar é sempre lindo, não existe certo ou errado pra quem ama. Nós duas temos famílias que têm diversas questões conosco por conta disso e acredito que se eles tivessem sido educados, se culturalmente a inserção das minorias fosse um hábito mais antigo, talvez não sofrêssemos o que ainda sofremos hoje, né? Mas o futuro é agora e a gente acredita que ainda possa mudar isso pra muita gente!”

      É isso. Amar é lindo sempre. E que mais e mais casais se encontrem aqui dentro, pelas ruas, num dia bom de verão, numa noite gostosa de inverno e por esse mundão todo!

      Amar pode e pode muito. 

      12.06.18