• Tire suas dúvidas sobre pedidos, trocas e devoluções.
    Atendimento nos dias úteis das 9h as 18h.
  • Receba dicas de estilo, via Whatsapp, para realizar uma compra personalizada!

sua mochila está vazia

    • CabocloSereia

      Nascido em Pernambuco e criado no Rio de Janeiro, Tyaro Maia é a síntese de um multiartista. De um magnetismo perturbador, é figura marcante em projetos musicais cariocas e carrega o seu Axé nos queridos blocos Rio Maracatu e o dourado Agytoê, no Grupo Maracutaia e na banda Renascimento. Traz com ele muitas personas, na dança e na música, no carnaval e na Rua.
      Sempre de corpo e alma.

      Seu primeiro trabalho autoral, CabocloSereia celebra e sintetiza toda essa vivência e funciona como uma espécie de convite. Assim como a música, Tyaro não anda só, somente em boa companhia. Por isso artistas, produtores, designers, fotógrafos, amigos, família, parceiros e mais um monte de gente, se juntou pra fazer essa roda girar através de uma campanha de crowdfunding no Benfeitoria e convidam você também a convocar junto CabocloSereia e se jogar no mar da música independente e autoral.

      A campanha tem um montão de recompensas bacanas, como leitura de mapas, oficinas de dança, aulas de yoga e até um pocket show! As contribuições partem dos R$20. A Bruna, amiga do adoro, bateu um papo com o Tyaro que conta um pouquinho do que todos esses elos da corrente vão fazer surgir:

      Como nasceu a ideia do CabocloSereia?
      Essa ideia já existe dentro de mim há muitos anos, pois desde novo, tenho a necessidade de desconstruir meu lugar masculino nesse mundo de gêneros, rotulados e enquadrados. Sempre roubei roupas da minha mãe, da minha avó e de amigas tentando subverter as peças que teriam uso exclusivo só das mulheres. Sempre achei o comportamento e moldes masculinos muito limitados, e logo quis experimentar ser quem eu não sabia que podia ser e creio eu que essa busca seja eterna. Logo cedo, encontrei o meu corpo na terapia bioenergética, nas danças e expressões afro-brasileiras, no Maracatu de Baque Virado aqui no RJ. O meu encontro com #CabocloSereia aconteceu de fato, no início de, 2015, depois de uma oficina/vivência com o grupo musical Pandeiro do Mestre e com o músico/mestre Nilton Junior. Vindos de Recife-PE a identificação foi logo de cara. Tive contato com a Força da Jurema Sagrada e o Coco de Toré(um tipo de coco fortemente influenciado pela música dos rituais do "Toré" dos índios Pankararu, Xucuru, Fulni-ô, Kapinawa, Xocó e Cariri Xocó.) As cantigas sagradas são dançadas em círculo no sentido anti – horário, e cultua-se bastante as entidades dos Caboclos e Sereias. Eu que já era encantado por esses dois arquétipos bem brasileiros, fiquei mexido com todas as referências vindas do lugar onde eu nasci. Passei uma semana digerindo o mergulho profundo e as conexões feitas e resolvi, então, publicar nas minhas redes sociais; "meio caboclo, meio sereia", aí pronto, até quem não me conhecia pessoalmente veio confirmar que era de fato uma auto-expressão e/ou reconhecimento.

      Sobre quem você canta no disco?
      São 10 canções autorais criadas desde 2014 e cada uma carrega uma trama, e todas me atravessam. Canto todxs xs deusxs e energias que chegam até mim e eu consigo perceber/traduzir, luzes e sombras dançando num repertório bem eclético que transfigura várias referências. Somos muitos. Inclusive esse é o desafio na criação e desenvolvimento da identidade do trabalho, expressar essa diversidade e dualidades nesses personagens que se complementam.

      O que você espera que as pessoas sintam ouvindo CabocloSereia?
      Eu espero que elas se sintam. Se sintam de preferência livres,livres de julgamentos, livres de si mesmas, buscando liberdade e novas possibilidades de existência diante das circunstâncias atuais. O disco é feito no amor e por amor, espero que as pessoas sintam isso.
      Agora que você já tá por dentro da história do Caboclo Sereia, aumenta o som e deixa a vibe te levar!
       

      Agora que você já tá por dentro da história do Caboclo Sereia, aumenta o som e deixa a vibe te levar! 

       
      Crédito das fotos: Helena Cooper

       

      02.01.18